Fique por dentro das novidades

Drogaria Silva | Você de bem com a vida e naturalmente saudável - Juiz de Fora/MG

Fique por dentro das

Novidades

Febre Amarela: perguntas frequentes sobre a doença

Febra Amarela: perguntas frequentes sobre a doença

O Brasil está passando por um surto de febre amarela, especialmente nos estados de Minas Gerais e Espirito Santo, e agora alguns casos em São Paulo. Para tirar dúvidas sobre sintomas e vacinação da febre amarela, a equipe de Infectologia, em especial dos comitês de arboviroses, imunizações e medicina de viagem da Sociedade Brasileira de Infectologia, elaborou algumas perguntas e respostas frequentes. Leia:

 

O que é febre amarela?

A febre amarela pertence à classificação das arboviroses assim como a dengue, zika e o chikungunya, mas os sintomas são muito diferentes. É uma doença causada por um vírus (flavivírus) e transmitida por mosquitos chamados de Haemagogus e Sabethes (em região silvestre) e Aedes (em área urbana). Apesar das duas formas não há diferença de sinais e sintomas e o paciente pode ficar com o corpo todo amarelo. Até o momento não há relatos de transmissão de febre amarela direta entre pessoas.

 

Quais são os fatores de risco?

Pessoas que nunca entraram em contato com o vírus da febre amarela ou nunca foram vacinados possuem risco de contrair a doença quando viajam para locais em que a doença exista. O risco é maior para as pessoas com mais de 60 anos de idade e qualquer pessoa com imunodeficiência como pessoas vivendo com HIV/Aids, transplantados, pessoas com doenças reumatológicas que usam imunossupressores entre outros.

 

Quais os sintomas da febre amarela?

A maioria das pessoas que adquire o vírus da febre amarela não apresenta sintomas. Quando os sintomas aparecem, as pessoas têm febre baixa, dores musculares em todo o corpo, principalmente nas costas, dor de cabeça, dor nas articulações, náuseas e vômito e fraqueza.

Esses sintomas duram entre três e quatro dias e vão diminuindo até desaparecer, mas alguns pacientes podem ter sintomas mais graves cerca de 24 horas após a recuperação dos sintomas mais simples ou já ter o quadro clínico de forma rápida, podendo atingir vários órgãos do corpo, principalmente o fígado e os rins. Os sintomas dessa fase são febre alta, icterícia (amarelidão) pela inflamação no fígado, vômitos com sangue, urina escura, sangramentos de pele e olhos avermelhados. Em casos mais graves o paciente pode evoluir muito mal e morrer.

 

Existem tratamentos para a febre amarela?

A forma mais eficaz de evitar a febre amarela é por meio da imunização. A vacina é constituída de vírus vivo atenuado, isso quer dizer que ele foi enfraquecido para não causar doenças em pessoas saudáveis. O vírus age estimulando o organismo a produzir a própria proteção contra o vírus e o efeito aparece cerca de 10 dias após a injeção. Apresenta eficácia acima de 97,5% e a proteção persiste por mais de 40 anos.

 

Como podemos a prevenir a picada desse mosquito?

- Usar camisas de mangas compridas e calças.
- Ficar em lugares fechados com ar condicionado ou que tenham janelas e portas com tela, para evitar a entrada de mosquitos.
- Dormir com mosquiteiros.
- Usar repelentes registrados oficialmente contra insetos. Quando usados como orientados são seguros e eficazes, mesmo na gestação ou amamentação.
- Sempre seguir as orientações das bulas.
- Evitar uso de produtos com associação de repelente e protetor solar na mesma formulação.
- Se for usar protetor solar, aplicá-los antes do repelente.
- Para crianças:
- Não usar repelente em crianças com menos de 2 meses de idade.
- Vestir as crianças com roupas que cubram braços e pernas.
- Cobrir berços e carrinhos com mosqueteiro.
- Não aplicar repelente nas mãos das crianças.
- Não usar produtos com permetrina diretamente na pele.
- Podem-se utilizar roupas impregnadas com permetrina.

 

Quem deve tomar a vacina contra a febre amarela?

A vacina está indicada a partir dos 9 meses de idade. Porém, em condições de surto, poderá ser antecipada para os 6 meses de idade. A aplicação é por via subcutânea. No Brasil, são recomendadas duas doses:

Crianças: a primeira dose aos 9 meses e 1 dose de reforço aos 4 anos;
Crianças maiores de 5 anos de idade não vacinados, ou adultos não vacinados: deve ser aplicada 1 dose, com um reforço em 10 anos.
Maiores de 5 anos com 1 dose realizada antes dos 5 anos de idade: 1 dose de reforço.

 

Quem não pode tomar a vacina?

Nem todas as pessoas podem ou devem fazer a vacina, necessitando sempre indicação médica. Algumas situações clínicas aumentam o risco de complicações com a vacina, e contraindicam a aplicação, como as citadas abaixo:

Pessoas com alergia a algum componente da vacina e alergia a ovos e derivados;
Imunodeficiências (doenças que levam a alterações no sistema de defesa) congênitas (nascidas com a pessoa) ou adquiridas, incluindo as terapias que levam a alterações do sistema de defesa, como quimioterapia e doses elevadas de corticosteroides;
Histórico de doença do timo (órgão linfático), incluindo a miastenia grave, timoma (câncer no timo) ou remoção do timo anteriormente;
Indivíduos sintomáticos infectados pelo HIV que estejam doentes ou apresentam defesas baixas (CD4 abaixo de 200 células/mm3);
Crianças menores de 6 meses de idade, devido ao risco de encefalite.

 

Devemos fazer uma avaliação antes de tomar a vacina?

Há situações especiais na qual a indicação da vacinação deverá ser avaliada pelo seu médico que irá expor qual o risco e o benefício de receber ou não a vacina. Alguns exemplos que seu médico deve avaliar:

Crianças entre seis e oito meses;
Pessoas com idade acima de 60 anos;
Gestantes;
Mulheres amamentando crianças menores de seis meses.

 

Que reações podem ocorrer após a vacina?

As reações que podem acontecer após a vacinação são raras, mas quando ocorrem, necessitam ser avaliadas pelo médico:

Reação muito comum (ocorre em 4% dos pacientes): dor de cabeça, reações no local de aplicação como dor, vermelhidão, hematomas, inchaços, que podem ocorrer em até 2 dias depois da vacina;
Reação comum (ocorre em 4% dos pacientes): náusea, diarreia, vômito, dor muscular, febre e cansaço, que podem ocorrer após o terceiro dia da vacina;
(menos de 0,1% dos pacientes): problemas neurológicos, como infecção no sistema nervoso, que ocorrem de 7 a 21 dias depois da aplicação da vacina;
Reação raríssima (poucos casos descritos no mundo): dor abdominal e dor nas articulações, icterícia (amarelão), falta de ar, urina escura, hemorragias, perda da função do rim, que pode ocorrer em até 10 dias após a aplicação da primeira dose de vacina.

 

Temos outros medicamentos para combater a febre amarela?

Não existem medicamentos específicos contra o vírus da febre amarela e não devem ser utilizados antiinflamatórios e ácido acetilsalicílico (AAS).

Pacientes graves devem ser tratados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), para hidratação endovenosa e reposição do sangue perdido nas hemorragias. Pode ser necessário diálise quando houver insuficiência renal.

*Participaram da elaboração desse documento: Dr. Edson Abdala, Dra. Helena Brígido, Dr. Jessé Reis Alves, Dr. Leonardo Weissmann, Dra. Lessandra Michelim, Dra. Priscila Rosalba D. Oliveira, Dra. Raquel Silveira Bello Stucchi e Dr. Sergio Cimerman, com a participação dos Comitês de Arboviroses, Imunizações e Medicina do Viajante, da Sociedade Brasileira de Infectologia.

 


MATRIZ


Av. Getúlio Vargas, 597 – Centro - CEP 36013-010

(32) 3215-8498


Horário de Funcionamento

Segunda à Sexta: 8h às 18h30

Sábado: 8h30 às 13h30

FILIAL


Rua Oscar Vidal 157 – Centro - CEP 36010-060

(32) 3211-9694


Horário de Funcionamento

Segunda à Sexta: 8h30 às 18h30

Sábado: 9h às 13h